PESADELO NO PALCO

N

ão foi uma tarefa fácil: pensar sobre esses eventos agora me deixa com emoções muito conflitantes. Afinal, tocar no Carnegie Hall - não é o sonho de todo músico? Certamente era o meu. E consegui - eu fiz isso. O preço, entretanto, foi alto.

Explicar: através de uma amiga, conheci uma instrumentalista (digamos que seja flautista) cujo sonho era reger uma orquestra em um grande Teatro . Vou chamá-la de D. Então, D. queria me contratar como solista tocando um concerto de Mozart. Muitas reuniões se seguiram. Muitas refeições e cafés entre a nossa amiga comum, D. e eu, a ideia foi ficando mais clara: o concerto seria no Carnegie Hall, D. regeria uma orquestra que seria escolhida a dedo entre os melhores músicos de Nova Iorque. E seria uma orquestra feminina. O lucro desse concerto seria revertido para uma organização sem fins lucrativos que defende os direitos das mulheres.

Em um mundo ideal, tudo isso tinha potencial para ser um grande concerto, uma grande ajuda humanitária e uma grande declaração política, social e estratégica. Exceto que haviam detalhes reais e importantes que começaram a se infiltrar no projeto: Qual seria a experiência de D. como maestra? Estudou regência? Como ela lidaria com uma orquestra de alto nível? Como lidaria com os ensaios? E o que dizer de toda a política do outro lado do espectro: atendimento ao público, marketing do concerto, críticos, encontrar fundos, pagar todos os músicos, organizar ensaios e lidar com os meandros de uma organização sem fins lucrativos com sua própria agenda complexa?

Eu não estava ciente de muitos desses problemas e inocentemente fui em frente. Ficou claro que D. nunca havia regido quando estávamos no primeiro ensaio de uma "gravação" do mesmo concerto na República Tcheca alguns meses antes da data de Carnegie. D. contratou a mim, uma orquestra e um produtor para gravar a obra, para que ela tivesse experiência de reger. Eu fiquei totalmente desanimada. Foi então que percebi que havia sido imprudente em aceitar o projeto. Fiz isso porque fui atraída pela magia do Carnegie Hall? Pode ser. No entanto, a ideia de tocar um concerto de Mozart com uma boa orquestra foi demais para eu recusar ...

Infelizmente o concerto teve que ser gravado com um metrônomo silencioso no pódio de D: foi ideia do produtor para que conseguíssemos de fato gravar. A orquestra - no estilo usual do Leste Europeu - deixou bem claro que não suportariam a regência de D. Estávamos à beira de uma rebelião. A hostilidade também foi sentida por mim - o que uma pianista brasileira (eu) saberia sobre como tocar Mozart? Depois do primeiro ensaio, começaram a ser mais gentis e abertos comigo. Acho que tinha passado o teste. Mas as tensões continuavam muito altas! Ainda por cima: meu computador, IPad e jóias foram roubados do meu quarto no hotel. Tive de ir à polícia com um intérprete e toda a provação foi muito dolorosa. Gravação feita ...

Alguns meses depois, D. e eu nos encontramos novamente em Nova York para o ensaio e o concerto. Nunca fui tão maltratado como então. Foi claramente assédio:

1. No ensaio, D. não olhava nem falava comigo.

2. Disseram-me para usar um vestido preto longo no concerto, para que parecesse exatamente como a orquestra e a outra pianista do programa (caso fosse substituída - ver item 7).

3. Fui proibida de tocar bis (fui muito aplaudida…).

4. Recebi uma pequena sala nos bastidores para me preparar para o concerto. Lembro-me que ficamos no teatro a maior parte do dia e dormi / descansei no chão frio.

5. Não tive permissão para sair do local. As regras sindicais foram mencionadas.

6. Disseram-me para vir vestida com o vestido do concerto para um ensaio no palco, poucas horas antes, para que as fotos fossem tiradas. Era uma forma de controlar meu código de vestimenta. Nenhuma outra pessoa do ensaio estava vestida para o concerto…

7. No programa havia outra pianista que tocava com a cantora contratada. Posteriormente, fui informada (pela amiga comum) que, se eu me comportasse mal, essa outra pianista estaria pronta para me substituir e tocar meu concerto.

8. Pediram-me para contribuir com uma quantia considerável de dinheiro para a festa pós-concerto, mas só me possibilitaram trazer uma pessoa.

9. Disseram-me que eu era um músico difícil de se trabalhar e, se não me comportasse, nunca mais trabalharia em Nova York. O assunto em questão era uma carta que queriam que eu assinasse para lançar o CD Mozart gravado na República Tcheca. E eu, na minha inocência, tinha dito que não valia a pena lançar um CD gravado com metrônomo. E isto não foi do agrado de D.

A primeira violinista e flautista me procuraram nos corredores do Carnegie Hall, como se estivesse se escondendo. Ee garantiram estudaram o concerto e que me seguiriam de qualquer maneira, estariam muito atentas à minha direção a partir do piano.

Subi no palco com muito medo da vingativa D. Ela nunca olhou para mim durante a performance. Na verdade, eu era a protagonista de um equilíbrio muito sofisticado: fingia seguir a maestra, mas tinha meus olhos, ouvidos, linguagem corporal e todas as antenas que podia reunir para tocar e liderar aqueles musicistas excepcionais. E eu regi do piano… Sim ... elas realmente me apoiaram ... e eu toquei muito bem. D. ficou furiosa, pois percebeu que estava abanando os braços, mas a orquestra estava mesmo me seguindo. Eu não tinha escolha. A orquestra estava esperando isso de mim, e eu deles. D. ficou de fora desta equação.

A verdade é que me senti apoiada pela incrível acústica deste salão mágico. Eu, literalmente, me senti elevada aos Elísios onde toda música perfeita e divina é feita: Senti que a acústica deste teatro junto com seu incrível histórico de performances memoráveis foram meus aliados - me senti completamente elevada. Ao mesmo tempo, senti o Paraíso e o Inferno misturados.

Decidi que não podia aceitar ser paga - parecia dinheiro sujo para mim. Então, devolvi o cheque. Na sua totalidade. Meu então marido não conseguia entender por que eu tinha feito isso. Levei muito tempo para me ‘limpar’ dessa experiência. Tive durante um bom período a vontade de nunca mais subir aos palcos. Lentamente, recuperei minha confiança. E é a primeira vez que escrevo sobre tudo isso.

Então: Sim, toquei no Carnegie Hall! Eu ganhei esta grande distinção. Adoro pensar que voltarei a este lugar para fazer linda música! Desta vez - do meu próprio jeito, livre e feliz!

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo