Sonia Rubinsky  © Joao Chimentao

      "O clímax foi alcançado com o impacto do virtuosismo quase visceral do Rudepoema.  Sonia Rubinsky nos deu uma superba performance, caracterizada tanto pela flexibilidade do braço direito, ágil, com extrema velocidade, com movimentos controlados e saltitantes; pelo fluxo de energia aparentemente incansável e nervosa; por um movimento incrível, poderoso e preciso do cruzamento das mãos e especialmente pelos efeitos relâmpagos do "martellato" no teclado, obtendo assim sons vigorosos e brilhantes."          Will Crutchfield, do New York Times.

       "O som de Rubinsky é cristalino e sua  habilidade extraordinária. 

 

   

         Ela merece ser uma das principais pianistas de Mozart (Perahia, Uchida e Brendel), porque ela sabe a diferença entre as vogais e os sons de Mozart: consegue tocar ritmicamente e até mesmo de uma forma poderosa; mas, ao mesmo tempo, com uma fluidez que faz o ouvinte esquecer que os sons do piano ocorrem no momento em que o martelo bate nas cordas."                                   

                 Richmond Times- Dispatch. 

   

"Ah!   Que temperamento!"

        A. Rubinstein

Sonia Rubinsky  © Isabela Senatore

   " A pianista brasileira Sonia Rubinsky foi solista do concerto de Mozart em Ré menor. O primeiro e o terceiro movimentos foram musculares, mas cuidadosamente controlados, uma mistura de brilho e profundidade, precisão de aço diluída em um som aveludado. O andante "Romance" foi cantado suavemente, a linha melódica flutuou facilmente, sem exageros ou pathos sobre as cordas da orquestra."           

 

Springfield Union News.

 "... através de uma técnica precisa e de uma fraseologia flexível, a pianista demonstrou uma musicalidade que vai além do significado linear do texto, revelando em profundidade a mensagem do compositor. "

 

Jornal do Brasil